Este site usa cookies técnicos, analíticos e de terceiros.
Ao continuar a navegar, aceita a utilização de cookies.

Eleições políticas e Referendum

Nos termos da Lei 459/2001 e do Regulamento de Execução do Decreto Presidencial 104/2003, os cidadãos italianos residentes no estrangeiro e registrados no AIRE votam no Circunscrição Consular para a eleição da Câmara dos Deputados e do Senado da República e para os referendos citados nos artigos 75º e 138º da Constituição.

As quatro divisões seguintes são identificadas dentro da circunscrição exterior:

  • Europa, incluindo os territórios asiáticos da Federação Russa e da Turquia;
  • América do Sul;
  • América do Norte e Central;
  • África, Ásia, Oceania e Antártida.

Após o referendo popular confirmatório de 20 de Setembro de 2020 sobre o texto da lei constitucional referente às “alterações dos artigos 56, 57 e 59 da Constituição relativas à redução do número de deputados”, aprovado pelo Parlamento e publicado no Jornal Oficial da República Italiana n.º 240 de 12 de Outubro de 2019, o número total de deputados eleitos no círculo eleitoral estrangeiro é atualmente de 12 (8 deputados e 4 senadores).

A votação no estrangeiro não está prevista para a eleição dos conselhos regionais, municipais e provinciais, nem para os referendos locais.

 

CATEGORIAS DE ELEITORES

  1. Os cidadãos italianos residentes no estrangeiro, inscritos no AIRE e nas listas eleitorais, com pelo menos 18 anos de idade, votam no estrangeiro.
  2. Os cidadãos italianos que, por razões de trabalho, estudo ou tratamento médico, estejam TEMPORARIAMENTE, durante um período de pelo menos três meses em que a data da votação recaia, num país estrangeiro em que não estejam registrados como residentes na acepção da Lei nº 470 de 27 de Outubro de 1988, podem votar por correspondência no Circunscrição consular. Os membros da família que coabitam com os nacionais acima mencionados podem votar da mesma forma. A opção, assinada pelo eleitor e acompanhada por uma cópia de um documento de identidade válido, deve chegar no município de registro eleitoral (e portanto NÃO aos postos consulares) até ao trigésimo segundo dia anterior à data do voto na Itália. O pedido é revogável dentro do mesmo prazo e é válido para uma única consulta.

 

ESTADOS EM QUE O VOTO POR CORRESPONDÊNCIA NÃO É PERMITIDO

O voto será por correspondência apenas nos Estados onde existam as condições para a sua organização. O nº 1-bis do artigo 20º da Lei 459/2001 estabelece que o voto por correspondência não é permitido em Estados com os quais a Itália não mantenha relações diplomáticas, ou em Estados onde a situação política ou social não garanta, mesmo temporariamente, que o exercício do voto por correspondência seja realizado em condições de igualdade, liberdade e sigilo, ou que não possa surgir qualquer prejuízo para os direitos laborais e individuais dos eleitores e outros cidadãos italianos como resultado da sua participação em todas as atividades previstas por esta lei.

Nestes países, portanto, os compatriotas residentes e registrados no AIRE, bem como os que se encontram temporariamente presentes como acima descrito, podem exercer o próprio direito de voto apenas no município do seu registro eleitoral na Itália. A fim de assegurar a eficácia do direito, a lei prevê que um cidadão residente e registrado no AIRE (mas não um compatriota temporariamente no estrangeiro*) num Estado onde o voto por correspondência seja impossível ou seriamente prejudicial, ao contrário do que acontece no caso de uma escolha voluntária de voto na Itália, uma disposição econômica específica (reembolso de 75% do custo do bilhete de viagem mediante apresentação da documentação pertinente ao consulado competente).

*[Exceções, nos termos dos parágrafos 5 e 6 da Arte. É aberta uma exceção, nos termos dos números 5 e 6 do artigo 4º-bis, para os empregados do Estado em serviço permanente no estrangeiro notificados nos termos das Convenções de Viena sobre relações diplomáticas ou consulares e membros das Forças Armadas e das Forças Policiais temporariamente no estrangeiro em missões internacionais, tendo em consideração a natureza particular das suas respectivas situações (que podem não lhes permitir regressar a Itália para exercerem o seu direito de voto), bem como para as pessoas que vivem com eles, que podem participar na votação mesmo que estejam a servir em países onde não é possível organizar o voto por correspondência].

 

COMO VOTAR POR CORREIO

Os eleitores residentes no estrangeiro receberão no próprio endereço no estrangeiro, do gabinete consular de referência, o envelope da votação contendo os boletins de voto e instruções sobre como votar.

Os eleitores que não tenham recebido o envelope do escrutínio até ao 14º dia antes do dia da votação em Itália podem dirigir-se pessoalmente ao serviço consular competente para verificar o seu estatuto eleitoral e solicitar um duplicado do envelope (art. 12, par. 5, Lei 459/2001).

O serviço consular está igualmente autorizado a admitir à votação no estrangeiro por correio todos os cidadãos cujos nomes tenham, por qualquer razão, sido omitidos da lista de eleitores elaborada pelo Ministério do Interior, se provarem que estão registrados no AIRE ou se o registro ou atualização tiver sido solicitado até 31 de Dezembro do ano anterior. O pedido de admissão para votar deve ser recebido pelo consulado até o 11º dia antes da votação na Itália e está sujeito à emissão, pelo município italiano, de uma declaração de inexistência de causas que impeçam o eleitor de votar.

Uma vez emitido o voto, o eleitor devolve o(s) boletim(s) de voto ao posto consular utilizando o envelope contido no pacote.

Uma vez terminadas as operações, os boletins de voto dos italianos residentes no estrangeiro, recebidos pelos escritórios consulares até às 16 horas da quinta-feira anterior à data de votação na Itália, são enviados de volta para Itália, onde o Escritório Central para a Circunscrição Exterior criado pelo Tribunal de Recurso em Roma se encarrega do escrutínio.

 

OPÇÃO DE VOTO NA ITÁLIA

Os eleitores residentes no estrangeiro e registrados no AIRE que desejem exercer o seu direito de voto na Itália podem optar por fazê-lo enviando uma notificação escrita ao serviço consular competente até 31 de Dezembro do ano anterior ao ano do fim natural do mandato (art. 4, § 1, Lei 459/2001). No caso de eleições antecipadas ou referendos, o eleitor pode exercer a opção de votar na Itália até o 10º dia após o dia da votação (art. 4, par. 2, Lei 459/2001). Será responsabilidade do Ministério dos Negócios Estrangeiros e Cooperação Internacional informar o Ministério do Interior os dados dos compatriotas que expressaram uma opção válida dentro do prazo estabelecido por lei, de modo a que os municípios de registro eleitoral possam inscrever os cidadãos nas listas eleitorais seccionais.

N.B. Estes eleitores NÃO têm direito ao reembolso das despesas de viagem, exceto no que diz respeito às concessões de viagem oferecidas para viagens dentro do território italiano.